Cenas impagáveis e diálogos realistas embalam a leitura de “Um Nazista em Copacabana”

Por Carlos Graieb*

Delúbio é um nome incomum. Segundo o IBGE, há quarenta e sete deles no Brasil. Só um se tornou notório. Assim, se um escritor batiza o personagem de seu livro de Delúbio, está querendo cutucar a onça com vara curta. Esse é sem dúvida o caso de Ubiratan Muarrek com o seu novo romance, Um Nazista em Copacabana. Mas qual onça, exatamente?

Nenhuma das duas em que você deve estar pensando.

Em seu primeiro livro, A Corrida do Membro (2008), Muarrek transpôs para o papel quase sem mediação um jeito intenso de pensar e de falar.

O romance era um tratado sobre a vida sexual da rapaziada. Tudo sem meias palavras, tudo ácido e despudorado, entrecortado apenas por reticências, numa mistura de comédia social muito certeira e voos ocasionais pelo absurdo (como quando uma gata – o bichinho de estimação – abusada sexualmente por seu dono foge do apartamento pela varanda, saltando graciosamente de um andar para o outro, até o chão).

Um Nazista em Copacabana é um livro mais contido na superfície. Muarrek, no entanto, deu um passo adiante como escritor, na construção do enredo e dos personagens.

Na verdade, é difícil encontrar na ficção brasileira atual quem tenha dominado tão bem esses fundamentos da narrativa.

Muarrek estudou a maneira como os dramaturgos e os romancistas realistas constroem cenas pelo diálogo, pela descrição do ambiente e das ações dos personagens.

O livro não se detém para explicar nada, para ser didático. Tudo que o leitor precisa saber está estampado numa sucessão de cenas em geral impagáveis: a mãe espalhafatosa que entra no quarto aos rodopios, repetindo bordões da TV, para acordar a filha; a entrevista de emprego assombrada por um pássaro que entrou voando no escritório e não se sabe onde foi parar; a lésbica seca e amarga que se oferece para massagear as pernas da grávida e aos poucos se excita; o jantar no condomínio caro em que o menino é elogiado por ter absolvido Hitler num julgamento encenado na escola. A verve e a imaginação meio anárquica de Muarrek continuam a toda.

O livro começa com Diana Verônica Funk. Grávida, imensa, ela foi buscar refúgio no apartamento da mãe, no Rio de Janeiro. Sua mãe, que toda tarde se entorpece com cerveja, foi casada com um alemão, Otto Funk. O nome é célebre na história da Alemanha – dê uma espiada na internet. O leitor que descubra se o Otto do livro é mesmo um nazista em Copacabana.

Mas não estraga nenhuma surpresa dizer que o Delúbio de que Diana está fugindo não é o mesmo que aparece no noticiário, enredado no mensalão. Ainda assim, eles têm algo em comum além do nome: o Delúbio do romance também está envolvido em uma grande falcatrua, em São Bernardo do Campo, muito embora seja um tolo que passa dois terços do dia chapado de maconha.

O crítico literário Roberto Schwarz falou certa vez das “ideias fora de lugar” – da maneira como o Brasil importava teorias estrangeiras para dar conta de uma realidade que nada tem a ver com elas. Os personagens de Ubiratan vivem num mundo mais primitivo. Eles são movidos pelos apetites mais básicos: beber, fumar, fazer sexo, ostentar, ganhar dinheiro não importa como. Nem sequer lhes ocorre invocar teorias para justificar o que fazem, ou o que quer que seja. Em sua única tentativa de reflexão Delúbio se perde em uma tese estapafúrdia sobre a índia Pocahontas.

O mais próximo que o livro tem de um centro moral é Diana. Ela atravessa a história em silêncio, recolhida em repúdio e renúncia. Mas mesmo a sua negativa em se envolver com o que vai à sua volta pode ser apenas preguiça – outro pecado capital.

E aqui voltamos à onça.

Um Nazista em Copacabana não foi escrito para tomar partido de petralhas ou coxinhas. Não é panfleto, é romance. E a realidade que o livro descreve não é lisonjeira para ninguém – ricos, pobres ou remediados.  A grande onça brasileira que ele vai cutucar é um bicho pardo, voraz e vulgar. O resultado é um livrão divertido e forte.

*Carlos Graieb é jornalista. Foi editor de O Estado de S. Paulo e Redator-chefe de Veja.

 

Última lista do ano tem Asimov, Jane Austen e José Alencar

Esta semana (07 a 12/12/2015) observei pouquíssimas repetições nos títulos. Muita variedade. Algo que me chamou atenção foi a presença ostensiva dos clássicos da literatura mundial e brasileira.  Por exemplo, observei 4 pessoas lendo Orgulho e Preconceito, de Jane Austen. Dois leitores ostentando um José de Alencar. Mas o hit da semana foi Isaac Asimov, com vários títulos.

Sobre este nosso Ranking Semanal, vale repetir que ele não tem ciência. É uma mera e rudimentar  apuração feita por mim e pelo Sérgio Miguez a partir do nosso trabalho de fotografar pessoas lendo nos espaços públicos da cidade (Metrô, Ônibus, Parques, Praças, Shoppings).

Vale repetir também que para compor esta enumeração, somamos as ocorrências, isto é, quantas vezes vemos determinado livro/autor em nossas andanças pela cidade.

Daremos uma pausa enste período de festas de fim de ano. Voltamos com a lista em janeiro de 2016.

Aprecie nossa lista. E compartilhe. (Hamilton dos Santos)

 

  1. Origens da Fundaçãoe outros livros de Isaac Asimov (Editora Aleph)
  2. Ela Confiou na Vidae outros livros de Zíbia Gaspareto (Editora Vida e Consciência)
  3. A Arte da Felicidade, de Dalai Lama (Martins Editora)
  4. Orgulho e Preconceito, de Jane Austen (Várias Edições)
  5. Crônicas de Gelo e Fogo, de R.R. Martin (Editora Leya Brasil)
  6. Bíblia(Várias Edições)
  7. Série Maze Runner, de James Dashner (Editora Vergara & Riba)
  8. Iracema e Til – Romance Brasileiro de José de Alencar (Ateliê Editorial)

 

Revistas

  1. Veja (Editora Abril)
  2. Época (Editora Globo)
  3. Você S/A (Editora Caras)
  4. Pequenas empresas e Grandes Negócios  (Editora Globo)
  5. Superinteressante (Editora Abril)

 

Lista dos mais lidos da semana tem Bíblia e Espiritismo Pop no topo

Esta semana (23 a 28/11/2015), cheguei a fotografar um grupo de cinco pessoas lendo dentro de um vagão em uma das linhas do Metrô de São Paulo. Em média, observo 12 pessoas lendo em um único vagão. Se não me engano, cada vagão comporta cerca de 500 pessoas. Ou seja, menos de meio livro por usuário, certo?

Como tem acontecido cada vez com mais frequência, dificilmente há um ou mais livros em comum entre esses 12 leitores. Isto é, cada um dos 12 está lendo títulos diferentes. A diversidade é enorme. E esta semana não fugiu à regra, tanto que a lista está bem mais curta. Só consegui flagrar oito ocorrências repetidas nas cerca de 15 viagens que fiz ao longo da semana.

Com diversos títulos, o autor que mais se repetiu foi Augusto Cury, que vai para o topo da lista pela primeira vez. A Bíblia esteve mais forte esta semana em comparação às semanas anteriores. De resto, Mônica de Castro vem se consolidando como a mais pop das autoras espíritas.

Sobre este nosso Ranking Semanal, vale repetir que ele não tem ciência. É uma mera e rudimentar  apuração feita por mim e pelo Sérgio Miguez a partir do nosso trabalho de fotografar pessoas lendo nos espaços públicos da cidade (Metrô, Ônibus, Parques, Praças, Shoppings).

Vale repetir também que para compor esta enumeração, somamos as ocorrências, isto é, quantas vezes vemos determinado livro/autor em nossas andanças pela cidade.

Lembro que a partir de dezembro, vamos considerar incorporar à nossa lista os registros vindos de nossos seguidores. Mande sua listinha por meio deste blog ou pela nossa página no Facebook (https://www.facebook.com/temmaisgentelendo/). Assim, teremos uma lista nacional. Aprecie nossa lista. E compartilhe. (Hamilton dos Santos)

 

  1. A Sabedoria Nossa de Cada Dia e outros livros de Augusto Cury (Editora Sextante)
  2. Até que a vida os Separe e outros livros de Mônica de Castro pelo Espírito Leonel (Editora Vida e Consciência)
  3. Bíblia (Várias Edições)
  4. Crônicas de Gelo e Fogo, de R.R. Martin (Editora Leya Brasil)
  5. Cuidado com o Lado Negro da Força, de Tom Angleberger e outros livros da série Star Wars (Editora Seguinte)
  6. O Pode do Hábito, de Charles Duhigg (Editora Objetiva)
  7. Casamento Blindado, de Renato e Cristiane Cardoso (Editora Thomas Nelson Brasil)
  8. Série Cavalo de Tróia, de J.J. Benitez (Editora Planeta do Brasil)

 

Revistas

  1. Veja (Editora Abril)
  2. Pequenas empresas e Grandes Negócios  (Editora Globo)
  3. Época (Editora Globo)
  4. Superinteressante (Editora Abril)
  5. Vida Simples (Editora Caras)

 

 

Harry Potter e Jedi duelam pelo primeiro lugar na lista dos mais lidos da semana

Esta semana, em um só vagão (02 a 07/11/2015) do Metrô de São Paulo, o Tem Mais Gente Lendo chegou a contar dez livros sendo lidos simultaneamente (veja post publicado dia 3 por Sérgio Miguez em nossa página do Facebook). Muita variedade de títulos. Entre os leitores de revistas, destaque para a Piauí, com três ocorrências no período. Livros da série Harry Potter chegam ao topo, empatados com uma série que traz a trilogia clássica de Star Wars recontada por autores da literatura juvenil.

Sobre este nosso Ranking Semanal, vale repetir que ele não tem ciência. É uma mera e rudimentar  apuração feita por mim e pelo Sérgio Miguez a partir do nosso trabalho de fotografar pessoas lendo nos espaços públicos da cidade (Metrô, Ônibus, Parques, Praças, Shoppings).

Vale repetir também que para compor esta enumeração, somamos as ocorrências, isto é, quantas vezes vemos determinado livro/autor em nossas andanças pela cidade.

Lembro que a partir de dezembro, vamos considerar incorporar à nossa lista os registros vindos de nossos seguidores. Mande sua listinha por meio deste blog ou pela nossa página no Facebook (https://www.facebook.com/temmaisgentelendo/). Assim, teremos uma lista nacional. Aprecie nossa lista. E compartilhe. (Hamilton dos Santos)

 

  1. Cuidado com o Lado Negro da Força, de Tom Angleberger e outros livros da série Star Wars (Editora Seguinte)
  2. Harry Potter e a Pedra Filosofal (e outros livros da série), de J. K. Rowling (Editora Rocco)
  3. Crônicas de Gelo e Fogo, de R.R. Martin (Editora Leya Brasil)
  4. O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien (Martins Editora)
  5. O Pode do Hábito, de Charles Duhigg (Editora Objetiva)
  6. O Amor Não Tem Leis e outros livros de Camila Moreira (Suma de Letras Brasi)
  7. Apesar de Tudo e outros livros de Mônica de Castro pelo Espírito Leonel (Editora Vida e Consciência)
  8. Bíblia (Várias edições)
  9. A Paixão Segundo GH e outros livros de Clarice Lispector (Várias Editoras)
  10. O Império é Você, de Javier Mouro (Editora Planeta)

  

 

Revistas

  1. Veja (Editora Abril)
  2. Piauí  (Editora Alvinegra)
  3. Época (Editora Globo)
  4. AnaMaria (Editora Caras)
  5. Carta Capital (Carta Editorial)

 

Livros de finanças pessoais são o fenômeno da semana

O fenômeno da semana (26 a 31/10/2015) nos espaços públicos foram os livros de temas ligados às finanças: dicas de economia doméstica, finanças pessoais, como ficar rico e congêneres. Entre os títulos que observei  estavam O ABC das Finanças, de José Carlos Lucentini, Pai rico, Pai Pobre, de Robert T. Kyiosaki e Sharon Lechter, Dinheiro, os Segredos de Quem Tem, de Gustavo Cerbasi. Além desses, com mais de uma ocorrência, flagrei Terapia Financeira, que entra na lista e A Chave Mestra das Riquezas, de Napoleon Hill, que já havia entrado na lista na semana passada.

Sobre este nosso Ranking Semanal, vale repetir que ele não tem ciência. É uma mera e rudimentar  apuração feita por mim e pelo Sérgio Miguez a partir do nosso trabalho de fotografar pessoas lendo nos espaços públicos da cidade (Metrô, Ônibus, Parques, Praças, Shoppings).

Vale repetir também que para compor esta enumeração, somamos as ocorrências, isto é, quantas vezes vemos determinado livro/autor em nossas andanças pela cidade.

Lembro que a partir de dezembro, vamos considerar incorporar à nossa lista os registros vindos de nossos seguidores. Mande sua listinha por meio deste blog ou pela nossa página no Facebook (https://www.facebook.com/temmaisgentelendo/). Assim, teremos uma lista nacional. Aprecie nossa lista. E compartilhe. (Hamilton dos Santos)

 

  1. Crônicas de Gelo e Fogo, de R.R. Martin (Editora Leya Brasil)
  2. 1984, e outros livros de George Orwell (Editora Companhia das Letras)
  3. O Amor Não Tem Leis e outros livros de Camila Moreira (Suma de Letras Brasi)
  4. A Menina Que Brincava  com Fogoe outros livros de Stieg Larsson (Editora Companhia das Letras)
  5. Apesar de Tudoe outros livros de Mônica de Castro pelo Espírito Leonel (Editora Vida e Consciência)
  6. Inferno e outros livros de Dan Brown (Editora Arqueiro)
  7. Toda Luz que não podemos Ver, de Anthony Doerr (Editora Intrínseca)
  8. O Ladrão de Raios, e outros títulos da série Percy Jackson e os Olimpianos, de Rick Riordan (Editora Intrínseca)
  9. Terapia Financeira, de Reinaldo Domingos (Editora DSOP)
  10. A Chave Mestra das Riquezas, de Napoleon Hill (Editora Viva Livros)

 

  Revistas

  1. Veja (Editora Abril)
  2. AnaMaria (Editora Caras)
  3. Pequenas Empresas Grandes Negócios (Editora Abril)
  4. Galileu (Editora Globo)
  5. Época (Editora Globo)